domingo, 29 de dezembro de 2013

Comidinhas de rua • Street food

Pegando uma carona após sanção da lei pelo Prefeito da cidade de São Paulo no dia 27 de Dezembro no qual autoriza a venda de comida nos chamados food trucks me inspirei para escrever este post. Até o momento apenas as barracas de pastéis, cachorro-quente e pipoqueiros tinham autorização para comercializar comida na rua.

Mas chega de blá blá blá, pois o que interessa mesmo é que as comidinhas de rua fazem parte da cultura de um povo e pode-se comer de tudo ao redor do mundo. Há os que tenham nojo e jamais provariam, mas fato é que adoro provar comidinha na rua (e na praia).

Clássicos como hot-dogs, pipoca, churrasco grego e pastéis. Além de milho cozido, churros, camarão na praia, tapioca, feirinha da Liberdade no domingo, acarajé na Bahia. Quem não é fã de tudo isso? Lembram do amendoim na fila da balsa? Hoje para Ilhabela, mas há os que se lembram da fila da balsa para o Guarujá.

Pesquisando sobre o assunto achei até livro sobre o assunto: Comidinhas de Rua de Tom Kime.

Ao redor do mundo, pode-se provar empanadas nas ruas de Buenos Aires, clássico hot-dog em New York (mas lá tem de tudo pelas ruas), pizza na Itália, crepe em Paris, o famoso fish&chips de London, takoyaki e kuri (castanha portuguesa) no Japão, Paneer Puri na Índia...



E algumas comidinhas são boas apenas quando comidas na rua, tem o sabor e o saber especial da cultura do local e isto restaurante nenhum pode copiar.


Sempre que posso experimento novos sabores, seja aqui ou do outro lado do mundo. Liberte-se do bom senso que muitas vezes nos diz, GRITA NÃO para a comida de rua e aproveite os sabores que o mundo tem para te oferecer. Comece com as nossas, pois em país algum do mundo você encontrará o fruteiro cortando a fruta e colocando em saquinhos individuais. E até vendedores usando luva plástica eu já vi. Feche os olhos, e aproveite!


Live. And Dream. Pa.T.